Postagens

O que me inspira...

O mito do Ícaro, sobre a inovação em meio ao caos...

Imagem
Ícaro foi filho Daedalus, este um gênio procurado por suas habilidades inventivas. Foi ele que projetou o famoso labirinto do Minotauro em Creta, para manter a criatura em isolamento.
Por um infortúnio Daedalus, foi acusado pelo rei de Creta de traição, pois como projetista do labirinto, era o único a conhecer seus caminhos.Entretanto, o herói Teseu descobriu a rota para chegar ao Minotauro e o matou, e foi por este motivo Daedalus e seu filho foram presos em sua própria invenção.
Como um grande inventor, seu espirito criativo não permitiu ficar encarcerado, então, planejou uma fuga. Os materiais disponíveis eram cera de velas e penas de pássaros, com isto construiu um par de asas para a fuga, visto que o mar e terra de Creta eram bem guardados, o que restava era o ar.
Antes da investida e fuga, Daedalus, recomenda a seu filho não voar muito perto do Sol, para que ele não pudesse derreter a cera das asas, e nem muito perto do mar, pois esse poderia deixar as asas mais pesadas.
Entretanto,…

Resolvi deixar meu filho trancado no quarto...

Imagem
Esta semana a minha filhota pediu pela centésima vez para assistirmos “Frozen”.

Bora ligar TV e clicar no Netflix!
Fico impressionado toda vez que o vejo, pela história, qualidade gráfica, trilha sonora, construção de personagens, virada da fábula (não temos princesas tão tradicionais como Branca de Neve de 1937) e por fim a relação dos pais com Elza e a Ana.
Neste texto me concentro na relação da Elza com seus poderes congelantes e seus pais.
Após uma brincadeira entre as irmãs (Ana e Elza) acontece um incidente mágico, os pais recorrem aos trolls para resolver a situação. Além de resolver o troll ancião dá um alerta a Elza:
Existe beleza nos seus poderes, mas há grande perigo. Portanto você precisa controlá-lo e o medo é o seu pior inimigo.
Prontamente o rei se compromete no auxílio da sua filha, mas o que de fato ele fez?
Trancou os portões da cidade, limitou pessoas a conhecer sua filha, limitou o contato dela com o mundo, além esconder os poderes de todos, inclusive da sua irmã.
Será qu…

Empatia falha...

Imagem
A empatia é o ponto central da Comunicação Não Violenta (CNV), tem origem no grego empatheia, que significava "paixão", pressupõe uma comunicação afetiva com outra pessoa, ou seja, a conexão é mais importante do que acertar como falar. ​
Ela gera autocompaixão e um estado de entendimento respeitoso, presença plena a outra pessoa, seguir o outro em suas dores e alegrias, além de alinhar suas intenções e compreensão em um diálogo.
Mas quando há um assalto seguido de morte, quero a punição sumária ou pena de morte ao assassino, pela dor que sinto pela vítima?
Não vejo um criminoso como uma ameaça, não sinto desprezo ou classifico como rato de esgoto. Entretanto, porque quero que aquele que usurpou a liberdade do outro existir apodreça na cadeia?
Talvez, pois, tive empatia, compaixão e amor apenas pela vítima e não pelo criminoso. Ao ver a violência explicita, eu me importo com a quem sofreu e suas consequências e quero que punição sobre isto!
Porque será que quero condenação ao crim…

Minha filha é uma medrosa

Minha filha é uma medrosa, foi a frase de uma mãe para sua filha. Ouvi ao brincar com a Clara no parque aqui do prédio.
Ao balançar a Clara na gangorra com força, no início esboçou uma cara de medo.
Eu: Clara olha para mim! Clara (olhou para mim) Eu: CORAGEM! Clara (sorriso, gargalhada e cabelo voando). Nesta hora chega uma menina e brinca na gangorra ao lado. Mãe: Nossa como sua filha é corajosa, a minha filha é uma medrosa. Tem medo de altura, de cachorro, de gato e até de jogar bola. Eu (silêncio e uma risada sem graça, infelizmente não consegui ser honesto em meu sentimento de frustração e necessidade de liberdade, divertimento e autenticidade). Eu (com o coração cheio de compaixão pela menina): olha garota, pode ir no seu tempo. Quero dar uma sugestão: ao balançar vai dando impulsos pequenos para ir mais alto, mas devagar. Menina (depois de dois ou três impulsos): NOSSA que divertido. Eu (satisfação e felicidade por ver a menina se divertindo)
Saindo da gangorra, a Clara foi para um brinqued…

O amor acabou? Será que tenho uma relaçãozinha estática e frágil?

Imagem
Estou casado há 07 anos e passei bons e péssimos momentos, mas de fato o que me faz chegar até aqui foi um compromisso de envelhecermos juntos, buscar a felicidade mútua e escutar o outro, é fácil? Nem um pouco, mas necessário para uma boa vida.
Nasci em uma cultura de julgamento entre o certo ou errado, quem é bonzinho ou muito mal, quem deve ser recompensado ou punido e assim vai. Nesta caminhada aprendi que a culpa, gera relações estáticas e sem vida.
Ai te pergunto: Porque não torna a vida do outro melhor? Ou tornar a minha vida melhor? Porque não atender as necessidades do casal de forma mútua?
Faz sentido? Se não faz sentido ou não te atrai por uma busca uma boa relação, segue dicas preciosas para transformar uma relação duradoura em uma relaçãozinha frágil e sem sentido:  Seja sensível ao sofrimento do seu parceiro e assuma todas as responsabilidade do outro;Busque o tempo todo classificar quem acerta ou erra, e faça uma lista quem fez o que e para quem, e se proteja a todo custo …

Que tipo de doador eu quero?

As ONGs possuem uma lógica emancipatória e transformadora, e comumente necessitam de recursos de terceiros, colocado à disposição por meio de doações, por este motivo a captação de recursos é uma arte de mobilização constante de pessoas e dinheiro.
Por isso, é importante que as abordagens de captação de recursos reflitam os valores da organização, e que sua aplicação seja estrita na organização, nas causas e projetos, assegurando aos doadores e beneficiários que os donativos sejam tratados com respeito e transparência.
Mediante aos valores da organização, sugiro algumas reflexões: Que tipo de doador eu quero?  Será que vale a todo custo, forçar a captação de pessoas a doarem para minha causa? Sintomas de uma doação forçada: O pedido de doação é uma exigência;Medo dos rótulos de egoísta;Medo da culpa e vergonha; Medo de causar dor ao outro;Comprometimento fingido;Exigência de gratidão obrigatória, eu fiz e preciso ser agradecido;Não vê valor e satisfação na doação;Perda da alegri…

Como potencializar suas idéias para um projeto socioambiental?

Penso que em meio ao caos e complexidade social há idéias que podem nos ajudar a ver inovações e revoluções, faz sentido para você?
Como é possível integrar as pessoas ou coisas ao todo ou ao conjunto?  Isto é o objetivo do Pensamento Integrativo que visa manter várias idéias opostas em tensão para chegar a novas soluções.
Então como posso chegar a resultados extraordinários?
Exploro idéias opostas para construir novas soluções;Amplio o escopo das questões relevantes ao problema;Resisto a lógica do "isso ou aquilo" e transcendo para "isso e aquilo";Tenho uma boa relação como o  não linear e multidirecional como fonte de inspiração, não de contradição;Recebo a desordem de braços abertos;Permito a existência da complexidade, enquanto busco a solução, esta é a fonte mais confiável de oportunidades criativas.
Qual sua opinião? 

É possível trabalhar com o caos e complexidade e tirar delas o oportunidades e inovações? 

Como você se sente em relação a isto?